terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Me deixa





















Entendo sua preocupação, amiga. Entendo você querer que eu saia dessa cama e limpe esse rosto meio mórbido, meio sujo, e vá viver minha vida. Essa é uma prova de que queres apenas o meu bem, e é o mesmo que eu faria por você. Mas por favor, não me obrigue, até por que você sabe que não vai conseguir. Não gaste sua saliva tentando me colocar pra cima. Não hoje,não agora. Não quero, e não vou colocar um riso falso no rosto, pra o mundo achar que eu sou normal. Dane-se o mundo, e me perdoa,mas essa não sou eu. Cansei de fingir que tudo está bem, quando na verdade o chão desaba sob meus pés e o céu cai sobre minhas têmporas sem pudor. Eu estou sofrendo, e eu vou continuar sofrendo. Acho que tenho ao menos esse direito ainda. Vou continuar colocando músicas tristes, continuar vendo fotos e imaginando um futuro que já não se desenhará à minha frente. Continuar trancada nesse quarto com clima de velório, chorar e soluçar até quando meu corpo agüentar. Entendo que você esteja preocupada, eu também estaria. Mas está na hora de você, que está bem e inteira, ir viver a sua vida e deixar eu repousar tranqüila nessa minha breve morte. Acalma-te... já já eu ressurjo das cinzas novamente, você me conhece. Mas não estou pronta ainda. Sabe... não doeu o bastante pra parar de doer. Você está me entendendo? É, isso mesmo que eu falei: não doeu o bastante pra parar de doer. Ainda tem espaço pra essa dor crescer, e dessa vez eu vou deixar. Chega uma hora que cansa ter que ser forte. Querida, nenhum ser humano é igual, e a graça está justamente aí. Cada um tem o que eu chamo de “ tempo de sofrer”. E o meu está só começando. Não tenha pena de mim. Não tenha dó. Não sofra comigo. Estou mal, mas estou bem em estar mal. Está me mostrando que subestimei meus limites. Está me mostrando que eu posso ir, e voltar mais forte. Estou sentindo. Então, me deixa sentir.
Respeita meu “tempo de sofrer”, amiga.

Respeita minha dor.





Tanny Pontes

Ódio


Quero derramar sobre ti todo o ódio que guardo em meu porão
Quero te fazer sentir toda a dor que pode existir nesse mundo
Quero que grite o mais alto que pôde imaginar que um dia suas cordas vocais seriam capazes, só pra te esfregar na cara que ninguém jamais te ouvirá.
Eu quero, com todas as minhas forças, que todos os males dessa vida recaiam sem piedade sobre teu corpo imundo, e sobre tua alma podre.
Quero que você se ferre, se foda, se mate..
Quero que você precise de um amigo, de uma mão estendida, pra perceber que está sozinho na merda desse planeta.
Quero que você saiba que a toda ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade. Palavras de Newton, querido. E como todas as suas ações foram destrutivas em relação aos outros, já se pode imaginar seu triste fim. Estou até com dó.
Quero ainda, que você perceba quantas oportunidades perdeu de ser feliz, e que não pode voltar atrás, por que você é um reles mortal, assim como todas as pessoas nojentas da sua mesma laia que te cercam no chiqueiro que é essa sua vida ordinária.
Quero que você se sinta numa caixa de concreto, perdendo o ar pouco a pouco, e quando achar que está na pior, que as paredes se fechem vagarosamente, esmagando cada pedaço ridículo dessa porcaria que é a sua matéria que um dia teve a ousadia de poluir e ocupar algum lugar no espaço.
Quero tudo isso, por que além de ser altamente capaz de amar, eu descobri com você que posso odiar. E odiar muito.
Eu te odeio. E me sinto mais humana com isso.

Otário.



Tanny Pontes

Retrato pra Iaiá (8)


Deixa ser.
Como será.
Eu já posto em meu lugar
Num continente ao revés,
em preto e branco, em hotéis.
Numa moldura clara e simples sou aquilo que se vê. (8)

Alô


Sono tranqüilo atrapalhado pelo tímido barulho quase surdo, quase mudo, do celular vibrando.

- Oi ?
- Oi Tanny, sou eu!


Uau.. Nesse momento o sono é interrompido com uma metralhada de balas e sustos. Incompreensões, sensações enigmáticas gostosas e perigosas.

- Nossa, que surpresa. Como você ta?
- Com saudades.

Ela está com saudades, e simplesmente me liga. Claro, pra ela deve ser tão mais simples. Saudade boa, saudade normal... Dessas que a gente mata discando um numero e iniciando uma conversa saudável. Nossas saudades são tão distintas, tão distantes. A minha saudade é muda, é doentia, é doída de mais. Daquelas que quanto mais se sente, mais se guarda. Quanto mais se quer matar, mas finge que não existe. É o tipo de saudade mais difícil de lidar. É saudade com pitada de amor, e pedaços de querer ir atrás.

- Eu estou bem, e você?
- Também! Quando nos veremos novamente?

Ela quer me ver de novo.. e consegue verbalizar isso. Me impressiona a facilidade que ela tem de dizer isso assim, sem me preparar primeiro. Ah, é claro.. esqueci que ninguém a visou sobre o meu amor e minhas tentativas resguardadas de não largar tudo e ir pra lá. Eu fui o amor de verão dela, e ela foi o amor da minha vida. Essa é, então, a parte que eu finjo descaradamente que ela também foi meu amor de verão e nada mais. Espero que ela não possa ouvir do outro lado da linha as batidas frenéticas do meu coração tímido e com medo do abismo que se aproxima a cada palavra soletrada por aquela voz. Ela quer me ver, ela quer me ver... Ela quer me ver, depois de tanto tempo e tanto silêncio. Ela quer simplesmente me ver. Como se não fosse uma tarefa difícil. Será que e tenho peito para um reencontro? E se isso despertar tantos outros sentimentos quase adormecidos após doses e doses de valium, noites conturbadas e travesseiros molhados? Minha cama está girando ou é impressão minha? Ela está do outro lado da linha, ou é mais um devaneio? Será que eu poderia ter alguma resposta do que fazer? De alguma voz do além, de meu subconsciente?
Ela quer me ver...
Ela quer me ver...

- Ah,quando você quiser.




Tanny Pontes

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Morte.


Acordando com dor de cabeça, dor na consciência, dor na alma e dor no peito. Resultados frustrantes de uma tentativa de esquecimento mergulhada em copos e mais copos de de vários tipos de bebida lotados de álcool, conservantes e mistérios. Resultado também de dezenas de cigarros consumidos no menor espaço de tempo possível. Vícios periódicos, destruições permanentes. Meu tempo agora serve para isso: ser ocupado com uma idiotice qualquer. Minha vida agora serve para isso: ser auto-destrutiva. Sabe quando se perde todos os valores e sonhos? Isso é cair no próprio esquecimento.
Rir nunca pareceu tão difícil. Chorar nunca foi tão fácil. Não sei o que aconteceu comigo e toda a minha pose de durona após sua partida. Não sei porque me deixou aqui nesse mundo. Entre tantas pessoas ridículas e filhas da puta fazendo coisas vergonhosas por aí, por quê logo você partiu assim? Está no céu agora? Manda noticias vai.. Sopra aqui no meu pescoço, faz cair uma chuva com seu cheiro, escreve seu nome na janela.
Eu não me assusto, prometo.
Mas faz isso logo.. que essa dor tá insuportável.

Espera





Viajo tocando, dando pausas no meu violão tentando decifrar o que há aqui dentro, e me pego visualizando aquele olhar na imensidão dos meus pensamentos a deslizar leve como uma nuvem que se dispersa, mas nunca se acaba. Não consigo dizer, mas se fosse escrever com o olhar ela entenderia tudo o que tenho guardado que engasga na garganta e embaça os olhos.O medo me consome. Já nem sei respirar quando estou ao seu lado. Ela é aquela mulher escondida nas letras das canções. Do lado dela eu vejo mistério, e isso me intriga, me puxa. Por mais que eu queira chamar atenção, não sinto que consiga. E no final das contas me machuco quando penso que só eu sinto. Só eu amo. Só eu me entrego. Estou aqui de bandeja, e ela desvia o olhar como que propositalmente...Ela brinca de amar, enquanto eu amo. Ela brinca de fazer sexo, enquanto eu faço amor.E o pior é que sinto que essa nossa relação é mais do que sensível, pode acabar a qualquer movimento brusco. Está tudo sempre acabando, sempre dando adeus, e eu já me encontro numa procura louca por uma cura para os machucados da alma."É melhor prevenir que remediar". Por que ninguém me contou isso antes? Como se previne de uma paixão? Qual remédio se toma pra remediar uma? Que coisa mais idiota se apaixonar sozinho. Deveria ser terminantemente proibido qualquer tipo de sentimento sem reciprocidade. Ainda mais esse, que não passa contando até 10, e não há nada que a NASA possa fazer pra me ajudar. Estou amando sozinho. Estou sozinho. E vou esperar.. Ela precisa sair, se divertir, recuperar o tempo que perdeu se machucando por um outro amor, e eu entendo isso. Aceito a condição.Mas vou esperar todas as noites que ela me ligue dizendo que não encontrou abraço melhor que o meu, pedindo desculpas por ter me deixado de lado. Vou esperar que bata à minha porta de madrugada dizendo que me ama, que nem espere eu abrir a maldita porta direito pra unir nossos corpos o mais próximo possível, sussurrando que me quer do seu lado, saindo de mãos dadas, felizes, e que nada mais vai importar ou existir. E quando enfim nossos lábios se tocarem cheios de sede, desejo e euforia... nada mais vai importar.
Ou existir.

domingo, 11 de dezembro de 2011

Papai Noel


Não, eu não acredito em Deus, nem em Papai Noel, nem na bondade dos homens, mas quero resgatar hoje um pouco daquela ansiedade pré-natal em que escrevia todos os anos uma cartinha cheia de desenhos e pinturas mal feitas para um certo velhinho de barba. Entregava ao meu pai, e nunca descobri onde ele colocava as benditas cartas. Será que ele lê blogs? Não custa tentar.

Querido Papai Noel, este ano que quero pedir que as minhas amizades sejam sempre guardadas sem falhas na memória. Que mesmo velhinha assim como você eu possa lembrar com perfeição momentos e diálogos que tive com aqueles que tanto me ajudaram a construir minha própria imagem. Eu quero uma memória super reforçada. Será que rola?
Sabe Papai Noel, eu nunca entendi por que as memórias se vão. Ora, as pessoas já se vão, os sentimentos se vão, nada mais justo que as lembranças ficarem. Sei que de fato algumas ficam, mesmo que eu nunca tenha entendido o motivo de lembrar de uma cena de 10 anos atrás, e não lembrar o que comi no almoço de ontem, mas é que a possibilidade de esquecer alguns rostos e abraços ou mesmo essas pequenas amizades de verão, me deixa totalmente aflita. Me sinto impotente diante da ideia distante de não poder salvar em alguma memória externa em forma de video ou fotos todas as coisas gostosas que já vivi ao lado dos meus amigos.
A-M-I-G-O-S!
Algumas pessoas nuca vão entender o significado dessa palavra. Ainda bem que não é nem de longe o meu caso. Será por que eu tenho tantos amigos e eles são os melhores do mundo? Eu fico em dúvida se é porque uma das minhas cartas de criança te pedia os melhores amigos do mundo, ou se foi por que fiz o mesmo pedido quando minha vó me deu uma daquelas fitinhas que ela trás de Juazeiro, que a gente amarra no braço e elas ficam lá, sofrendo a ação do tempo e cumprindo sua sina até se deteriorarem por completo. Bem que minha mãe diz que quando estamos doentes é bom tomar só um remédio por vez, do contrário não saberemos qual fez efeito.
Papai Noel, essa carta está virando um longo texto, mas acho que você tem tempo pra ler, e se não tiver, fica como se fosse um desconto, por todos esses anos que não escrevi. Tenho pontos acumulados, certo?
Enfim, meu pedido esse ano é basicamente esse. Uma super memória. Eu poderia pedir ter todos os meus amigos pra sempre comigo, parece mais simples, eu sei. Mas aí seria egoísmo. Cada um vai pro seu lado, seguir sua vida, ter filhos, virar padre, professor, prostituta... E eu não sou tão importante a ponto de comprometer esses futuros apenas pra me manter rodeada desses amores puros. Então, eu quero apenas que quando nossas vidas se cruzarem, todos os momentos sejam eternizados. Os bons e os ruins, as emoções e até mesmo as tardes tediosas em que um faz companhia em silêncio pra o outro. Os choros de tristeza, em que um é o alicerce do outro, e os choros de alegria, em que as lágrimas de dois ou mais se misturam.As músicas que embalam reflexões em grupo, e as músicas toscas que fazem todos dançar bêbados de felicidade, ou bêbados de bêbados mesmo. Guarde minha lembranças pra sempre em algum canto de mim, por favor, por favor, por favor. Não deixe que o tempo e os cabelos brancos as levem.
Sei que o momento é de comemorar o nascimento de um pivete qualquer que entrou pra história do mundo aí, e não de falar em morte. Mas na hora da minha morte, Papai Noel, eu quero ver o rosto de cada um, e sentir o cheiro guardado na memória, pra ter a morte mais feliz e satisfeita de todos os tempos.
Entendeu né Papai Noel? Espero que você não esteja caducando, porque esse meu pedido é muito especial pra ser incompreendido.

Beijos pra você, bom velhinho.
Tanny Pontes

O mapa


Você podia querer tantas e tantas coisas de mim. Coisas nas quais quem sabe eu até poderia te dar . Você poderia querer minha atenção, compreensão, bons momento.. poderia querer ver um filme, fazer um passeio, adotar um cachorrinho.
Você tem um leque enorme de opções de coisas que poderia querer, mas joga todas pro alto e escolhe justamente me entender?
Desculpa, mas isso é impossível por "n" motivos. É impossível por que ninguém na história da humanidade vai conseguir,por que eu sou um jogo complicado, que ora falta peças, ora sobram, ora entendia, e ora imobiliza de tão chamativo. É impossível por que se algum dia alguém me entender, eu deixarei de existir, por que o que me materializa são as minhas incertezas e incompreensões.É impossível por que se você conseguir, eu estaria deixando de ser a parte de mim que é enigmática...logo, eu, já não seria eu, e você estaria desvendando outra pessoa. É impossível por que pra você me compreender, eu teria que me compreender primeiro. E se um dia eu conseguir essa proeza, com certeza não seria com você que eu compartilharia. Sabe por que?
Por que por mais que você seja especial e eu goste um tantão de como você me faz sentir, você não é tanto assim pra merecer o mapa da mina.





Tanny Pontes

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Dor


- Quem é você?

- Eu sou a dor que corta que grita que pede.
A dor que tem vida própria e se alimenta do inconsciente.

Eu sou a dor que dá nos fortes e nos fracos, nos novos e nos velhos, nos homens e nas mulheres,nas horas fáceis e nas improváveis.
Eu sou a dor que existe por si mesma, fora de qualquer convenção.
Eu sou a dor que quanto mais se afaga mais se aninha
.
Sou a dor mais teimosa, e a teimosia mais doída
.
Eu sou o maior sinônimo de mim mesma
.
Eu nunca venho desacompanhada.
Nunca deixo um ser ileso.
Nunca fui simples, nunca serei
.
Nunca passei sem deixar rastros
.
Nunca cheguei com aviso prévio.
Eu sou “DOR” no sentido mais intrínseco da palavra e do sentir.
Eu sou a dor de amar.

- Você me faz muito mal.. Vai embora por favor.

- Desculpa, mas você não me deixa ir por que sou sua única companhia agora.



Tanny Pontes

domingo, 13 de novembro de 2011

Amor


Gostaria de entender por que um ser racional alimenta tanto uma dor, um sentimento auto-destrutivo, consciente dos possíveis resultados não desejados. Talvez não sejamos tão racionais assim. Nós o nomeamos, estudamos, catalogamos, exploramos, escrevemos livros sobre ele, no entanto somos reféns de todos os seus males.
Gostaria de entender como um sentimento, logicamente abstrato,como esse, assim sem forma, sem limites físicos, fere tanto a alma e ainda descontente com os estragos deixados, chega a machucar no corpo,ferir a carne. Às vezes posso jurar que o amor me belisca, e que quanto mais meu corpo se adapta a isso, mais ele dilacera, martela, agride de todas as formas imagináveis. Quer testar meus limites. Todos eles. Não seria o amor, um objeto de tortura?
Provavelmente seja psicológico.. mas quando sofro de amor, meus sistema imunológico parece desmoronar como um castelo de areia.. na mesma rapidez dos meus planos desfeitos. Dói cada pedacinho do meu corpo timidamente encolhido no menor espaço possível da cama. Dói não poder sumir, ou fazer alguém aparecer. Dói não saber o quanto se pode suportar, e estar a cada machucado mais perto do abismo. Dói respirar. Dói até pensar..
Como pode doer pensar? Só o amor mesmo tem essas coisas inexplicáveis, e essas dores silenciosas, que machucam sem deixar hematomas, e matam sem de fato matar.


Tanny Pontes

Pessoas



Não é questão simplesmente de não saber escolher. O fato é que realmente eu devo ter o dedo podre pra isso. Não funciona. Vou direto às que vem com defeito de fábrica. Parece que elas me chamam, prendem a atenção, como uma propaganda enganosa que enche os olhos do espectador, pra logo em seguida frustrar todas as expectativas sem o mínimo pudor.
Quanto maior a minha certeza de que fiz a escolha certa, maior é a decepção. É totalmente proporcional, e acontece vezes e mais vezes seguidas.
Cansei de escolher.
Vou apenas deixar que me escolham. Ou não.
E aceitar minha condição de solidão.

Tanny Pontes

Desisto.


Desisto de tentar lutar contra o tempo.
Ele sempre leva de mim partes importantes. Esse cabo de guerra entre a gente tem me tomado todas as poucas forças. E pelo caminho ficaram muito mais do que amigos, rotinas, manias, sabores, perfumes, certezas e sonhos.
Travei inúmeras batalhas com ele, que tentava bagunçar tudo, e eu atrás, batendo o pé, brigando, tentando inutilmente colocar esse tudo no seu devido lugar. Sem falar das guerras,quando o tempo me levou pessoas. Pra mim isso é golpe baixo.. coisa de quem não sabe lutar de igual pra igual. Ah tempo, se você fosse um ser humano, um de nós já teria morrido nocauteado, e sabe, pra mim tanto faz eu ou você. A morte é nada mais do que uma libertação necessária. As derrotas das guerras foram grandes, e as recuperações me foram desgastantes em um processo lento.
Levou de mim os encontros familiares dos domingos, a fé em Deus, a inocência. Levou de mim a tranqüilidade, a confiança nas pessoas, a doçura plena.
Então, após tantas perdas, eu desisto. Mas não por raiva, e sim por gratidão. Quero fazer as pazes com o tempo, pra ficar de bem comigo. Chega de batalhas, guerras e corpos. Bandeira branca.
Pode vir, tempo. Leve de mim o que você achar que deve, como sempre fez tão bem. E me desculpa, tempo, por demorar tanto tempo pra perceber que você me fez mais forte, independente, segura e séria. Desculpa tempo, por eu ter perdido tanto tempo te tratando como inimigo, e achando que tinhas um problema pessoal comigo, quando na verdade, você existe para todos.
Você ainda vai me tirar muitas coisas e pessoas.
E o que eu posso fazer, é deixar você fazer sua parte.
A minha eu já aprendi, só falta botar em prática.
Um brinde ao desapego.



Tanny Pontes